Pesquisar neste blogue

A carregar...

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Manuel Rui em cena no Recife - Brasil

O escritor Manuel Rui é um dos principais ficcionistas de Angola (colaborador de algumas das iniciativas da UCCLA como o EELP e a CEI), é o autor do texto da peça teatral Ombela, com direção de Samuel Santos, numa montagem inédita, levada à cena pelo Grupo teatral  “O Poste Soluções Luminosas”, na cidade do Recife (Brasil), a partir de Novembro. O texto e a adaptação a esta peça receberam o Prêmio Funarte (Fundação Nacional das Artes, Brasil) de “Teatro Myriam Muniz”.
Junto links de notícias sobre a peça.
Abraço
Rui
“A encenação de Ombela está envolta de uma atmosfera mágica, buscando ambientar o tempo e o espaço em um lugar lúdico, sagrado, mas sem ser intocável. Segundo a produção do espetáculo, há abertura para participação do público, até porque a encenação busca questionamento social e filosófico do posicionamento humano em relação a continuação de sua espécie e do resgate de sua ancestralidade. Os elementos da encenação como cenário, indumentárias, iluminação e maquiagem recebem um tratamento africano, mas dentro da atemporalidade.
A peça é interpretada em português e, algumas partes, na língua africana de Angola, o Umbundo. Toda sonoridade do espetáculo terá na sua linha de encenação musicalidade ao vivo, tocada e cantada pelas atrizes do elenco e composta pela cantora e percussionista Isaar França.” http://pernambuco.ig.com.br/cultura/2014/com-montagem-inedita-ombela-estreia-no-recife




, nº 69, pp 23-24



Rui Lourido_jpg

Email: ruilourido@uccla.pt | uccla@uccla.pt
www.uccla.pt | UCCLA no Facebook | UCCLA no Flickr


Pensar e Falar Angola

terça-feira, 11 de novembro de 2014

ANGOLA

Pensar e Falar Angola

11 de Novembro - 39 anos de Independência

Angola, o nosso país, comemora neste 11 de Novembro de 2014, trinta e nove anos de Independência Nacional.
Na grandeza do seu mosaico humano e cultural, obriga a cada um e a todos, a profunda reflexão sobre o sentimento do pátrio, de certeza e convicção da identidade angolana, assente nos pressupostos  da liberdade,  do bem de todos, na Pátria  do nosso nascimento comum.    
Chegados aos 39 anos de Independência, resultantes do esforço colectivo dos que nos precederam na história, com influencia externa ou não, entende-se ter chegado o momento de refletirmos com profundidade,  sobre a trajetória das nossas opções, sem buscar culpados. 
Importa, sem tibiezas, analisar se o sonho dos nossos antepassados foi alcançado na plenitude ou, se pelo contrário, nós, os continuadores da Pátria, pretendemos, simplesmente, substituir o regime colonial.
A Independência Nacional deve refletir o tributo de todos os que deram o melhor de si, para a sua conquista, independentemente das cores político-partidárias, confissão religiosa, local de nascimento, identidade etnolinguística, cultural, tendo em atenção a nossa idiossincrasia.
Que este não seja apenas um momento de convívio, de feriado, fanfarras desgarradas, mas, um momento em que a nossa angolanidade se afirme.
 Importa construir uma Angola inclusiva, de todos e para todos.
Construir Angola implica honrar o legado dos pioneiros da nossa história.
Valorizados na nossa identidade, seremos mais fortes, porque teremos Angola e os angolanos no epicentro dos nossos interesses colectivos e, pulsaremos Angola como o mais importante para todos, para além das convicções político- partidárias.
A independência nacional que temos a honra de comemorar, nunca foi, não é, nunca será, apanágio de um partido político, mas a expressão profunda do sentimento generalizado do nacionalismo angolano, assente nas ideias da realização da dignidade da pessoa humana, no nosso berço comum: Angola.


Pensar e Falar Angola

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

professor de Geografia no Brasil precisa ajuda

thiagobogossian@gmail.com


para pensarangola
Prezados,

Meu nome é Thiago Bogossian e sou professor de Geografia no Brasil. Trabalho com jovens entre 11 e 12 anos de idade e estamos estudando sobre jovens da mesma idade que eles em outros lugares do planeta. Tive a ideia de entrar em contato com algum professor em algum país lusófono para que pudéssemos trocar correspondências. Sei que o português daqui é diferente do que é falado aí, mas acho que é possível nos comunicar. E minhas crianças adorariam trocar cartas ou e-mails com crianças de outros lugares. Por isso, fiz uma pesquisa na Internet e encontrei seu blog. Gostaria de saber se você teria algum amigo ou conhecido que também é professor na escola básica e que pudesse entrar em contato comigo para a gente combinar uma atividade internacional, utilizando correspondências para que os jovens daí conheçam os daqui e o contrário também.

Agradeço pela atenção!


Pensar e Falar Angola

terça-feira, 30 de setembro de 2014

Os políticos e governantes de Angola, têm de libertar o País e os Povos de “ideologias e das estratégias políticas europeias e ocidentais de estandardização”, duma vez por todas

Caras(os) Irmãs, Irmãos de Angola
Bons Amigos (as)

Sobre este Evento apraz-nos lamentar a ingenuidade, pelo facto de  se aceitar a manipulação externa, cujo objectivo é  o de continuar a impor regras políticas externas aos angolanos e seus dirigentes!
Este é um caminho errado, os angolanos esperam dos “novos partidos e políticos, novas ideias, que libertem o País e os Povos da dependência de sistemas neocoloniais, que são a base de regimes totalitários!
Nós somos Povos Bantos – que quer dizer Humanos, e os governos da europa, quer do ocidente nunca nos trataram como tais, não percebemos como nos poderão ensinar seja o que for, para melhor governarmos o que é nosso? Nenhum negociante ensina as suas boas estratégias aos concorrentes, e nós em Angola somos a concorrência de quem nos quer neocolonizar e saquear. Meditemos sobre isso.



“     Workshop
Campanha Eleitoral em Angola
De 29 a 30 de Setembro 2014, no Hotel Continental - Luanda
Organizado pela Konrad Adenauer Stiftung
Convidados a participar: Partidos políticos e não só.
Matérias a administrar: Estratégias Eleitorais; Objectivos; Conceitos; Técnicas de Mobilização; Estruturas de apoio; Administração; Marketing e Comunicação no quadro de uma Campanha Eleitoral Determinada. Isto fazendo jus ao Draft que nos foi proporcionado.”



Os políticos e governantes de Angola, têm de libertar o País e os Povos de “ideologias e das estratégias políticas europeias e ocidentais deestandardização”, duma vez por todas! O Angolano e o Africano, não tem de pensar, sentir e viver como o europeu e o ocidental, isto é contra natura! É impor corpos estranhos, através destes sistemas que não funcionam nos Países onde foram inventados, muito menos servirão para nós!
A europa e o ocidente está a deriva, por ter destruído as Identidades Históricas e Culturais dos seus Povos, e neste momento julgam-se no direito de mandar no mundo inteiro, destruindo as identidades Históricas dos Povos que ainda as preservam, através de políticas “Kites” citando o economista Roque Amaro.


Estas Organizações com nomes de “Humanitárias”, são na sua maioria sócios das oligarquias que protagonizam “o Governo único mundial da “nova era”, cujo objectivo principal é a normalização de estruturas nas sociedades mundiais, para uma melhor escravatura neocolonial”!
Por isso, anti- Povos de África, anti- desenvolvimento de África!
Investiguem antes de aceitar alimentos “envenenados”, diz o ditado: diz-me com quem andas e dir-te-ei quem és!

Angolanos é hora de acordar, o desenvolvimento e a concórdia de Angola não virá de fora, nem destas Organizações que não conhecem o Ser Angolano ou Africano, deixemos de ingenuidade e de pôr o País em risco de Soberania.
A mudança de Governação e a porta do Desenvolvimento para uma Angola feliz, está na UNIÃO de todos os Angolanos, independentemente da cor partidária que cada um defende. Os Partidos passam e os Povos que são os donos da Nação ficam e é isto o que conta.

Os angolanos podem e devem entre si criar formas de gestão política e administrativa, para a nossa Angola, os nossos Governantes Tradicionais de Norte a Sul de Angola já praticavam a Democracia participativa, antes mesmo da Europa e do Ocidente, caminhar para a “civilização”.

Estas ONGD não são donos de Angola, nem tão pouco se interessam pelos seus Povos, isto é apenas esbibliotar e interferência num País Independente e Soberano! São estas Organizações que apoiam a corrupção, fraudes e tudo que é indigno, quando se trata para defenderem os seus interesses económicos e bélicos, como por exemplo, estarem a negociar mundialmente as águas de Angola e apesar de se terem reunido durante 6 (seis) dias na Fil em Portugal, não se ouviu a imprensa nem outros órgãos de comunicação social a divulgarem tal evento. O que se subentende ser negociatas susceptíveis  de lesar os Povos de Angola.

Caras(os) Irmãs, Irmãos de Angola
Bons Amigos (as)

O nosso Projecto enquanto cidadãos angolanos,  é: a nossa Soberania e Nação, e isto não é um assunto Global! É um assunto interno e dos Povos Soberanos de Angola.

A abertura de Angola aos Povos civis do mundo, é interessante, e está salvaguardada, mas, a interferência e o saque de governos e Organizações políticas e económicas, externas, são prejudiciais aos objectivos dos Povos e da Nação Angolana.

 

“Resolução 1803 (XVII) da Assembleia Geral, de 14 de Dezembro de 1962, sobre a “Soberania Permanente sobre os Recursos Naturais”

http://direitoshumanos.gddc.pt/3_21/IIIPAG3_21_2.htm

A Assembleia Geral, das Nações:
Recordando as suas resoluções 523 (VI), de 12 de Janeiro de 1952, e 626 (VII), de 21 de Dezembro de 1952,
Declara que:
1. O direito dos povos e das nações à soberania permanente sobre as suas riquezas e recursos naturais deverá ser exercido no interesse do respectivo desenvolvimento nacional e do bem-estar do povo do Estado em causa.
2. A exploração, desenvolvimento e disposição de tais recursos, bem como a importação dos capitais estrangeiros necessários para tais fins, deverão estar de acordo com as regras e condições que os povos e nações livremente considerem necessárias ou desejáveis relativamente à autorização, restrição ou proibição de tais actividades.”

 

 

 



Agradecemos a informação em epígrafe, mas não é possível deixar de dizer: que parece, que os políticos e representantes partidários de Angola actual, quer sejam os que governam, quer os que fazem a oposição, não aprenderam com os erros do passado, nem são sensíveis ao sofrimento da maioria dos Povos de Angola, ainda sofrem do complexo do escravizado! Lembrem-se que antes o nosso estatuto era de Senhores (as), donos, a escravatura foi-nos imposta por barbaridade, neste momento somos livres e temos de pensar por nós, juntar os Povos e conversar, chega de obediência externa, de quem precisa de nós para viver e ainda nos impõe guerras, desrespeitando os Povos de Angola, de África e até dos seus próprios países! As oligarquias internacionais não governam Países, mas os seus interesses corporativos, é por isso também que os Povos  europeus e ocidentais estão em sofrimento, em desespero, se eles governam mal, não podem nos vir ensinar a fazer política, nós temos de encontrar o nosso melhor caminho sem interferências. E somo capazes disso.

Numa altura destas, em que os Povos de Angola experimentaram a imposição de sistemas políticos ocidentais/europeus - marxistas, socialistas, sanguinários, esclavagistas  e anti-humanos, em toda  a sua essência, limitando a nossa Independência a vários níveis, ao imporem regras contrárias aos nossos princípios de Identidade Histórica /Cultural e de valores morais tradicionais, passados mais de 35 (trinta e cinco) anos de independência, de guerra imposta, patrocinada interna e externamente, com a imposição duma miséria aos Povos, que envergonha a todos, os que governam e os que não têm culpa deste desgoverno, o aceleramento duma neocolonização, onde o saque dos nossos recursos é o principal objectivo,  a investida a vários níveis dos saqueadores internacionais, que só têm a apoiado a corrupção e a guerra um pouco por toda a África, não percebemos, como o Partidos Políticos, ou outros grupos de cidadãos angolanos, vão deixar-se “politizar” por técnicas Eleitorais ocidentais/europeias, quando mesmo na europa e no ocidente, a “Democracia” apregoada, é inexistente, e a postura dos seus governantes para com a África e africanos é de uma verdadeira falta de respeito e indiferença!
Não é possível que depois de tudo o que vivemos, ainda haja quem esteja a espera de ajuda de quem tem limitado o desenvolvimento de Angola e de África, é preciso que percebamos duma vez por todas, que do ocidente e da europa não há planos para uma Angola ou África Independente e desenvolvida, não são estes os planos dos seus governantes, quando tratam os assuntos de África como se os seus governantes e políticos fossem “escravos ou seus tutorados”!
Afinal, até quando os políticos angolanos, terão a capacidade de mostrar aos Povos e ao mundo, por si próprios, que são inteligentes e com capacidade para governar o País, com os seus próprios pensamentos, buscando exemplos de Democracia e Governação Solidária, Interventiva, nas Bases Tradicionais dos nossos antepassados, na própria África, devolvendo aos Povos de Angola, o seu direito de Cidadania participativa, num governo Nacional, que defenda a História da nossa Identidade, Cultura, Tradições, na partilha e no respeito da sua Diversidade?
Até quando Angola vai continuar a ser governada ao mando de entidades estrangeiras que nada sabem da nossa História? Estas Organizações deturpam as áreas da educação, saúde, agricultura, governação, e tudo apoiado pelas Nações Unidas e governos europeus e ocidentais, numa África em que os seus povos são originários de recolectores/caçadores, nós que construímos as pirâmides um pouco pelo mundo, que eles mesmos os ocidentais e europeus, até agora não conseguiram desvendar, até reactores nucleares, melhores que os do ocidente e da europa, a Africa tem, e querem que nos deixemos que continuem a tratar-nos como “débeis mentais tutorados”?

Estas Organizações, estrangeiras que têm imposto as suas ideologias políticas, todas, sem excepção trabalham para a rentabilização dos seus objectivos económicos, na limitação do desenvolvimento de Angola, sob a palavra de “ordem globalização”, mas, favorecendo apenas, os seus direitos neocoloniais, e nunca no respeito da Identidade cultural de outros Povos, querendo com a imposição de “normas políticas de estandardização”, transformar  Angola e a África em celeiro de exploração a todos os níveis, e aos seus Povos os eternos escravizados do Desgoverno da “Nova Era Mundial”, comandada pelas Oligarquias ocidentais e europeias - iluminattis, bilderberg, rockefeller, maçonaria, etc…!

 Angola é de todos os Angolanos e não de alguns!  Não é justo que Governos de todo o mundo encontrem em Angola um novo celeiro de recursos para sustentarem as suas “economias” e políticas estratégicas, e que até ajudam a manter e criar políticas contrárias a um bom desenvolvimento, fazendo perder tempo, em conferências internacionais sem qualquer proveito, apenas para distrai os políticos e agentes sociais, enquanto os Povos morrem no desespero e na miséria!
A morte materno infantil em Angola é a maior de África e pior que a da Guiné! E os nossos Irmãos da Guiné não têm os recursos que Angola tem, afinal quem são os neocolonizadores que falam em Direitos humanos e democracia?
É preciso que os Governantes e Políticos partidários de Angola entendam, que áreas como a Educação, Saúde, Alimentação, Agricultura, Recursos Hídricos, História e Cultura de Angola, são áreas que competem ser tratadas apenas e por angolanos e seu Governo, e não por estrangeiros, para salvaguarda da sua Soberania, Independência e sustentabilidade.
Hannan Arendt –  na sua época avisou, e deixou um grande legado às futuras gerações sobre os sistemas que governam o mundo, nas suas Obras “As origens do totalitarismo e sobre a condição humana”, podemos entender a condição humana imposta pelos sistemas ocidentais em África: as guerras, os vários biafras, os campos de refugiados, a dependência a vários níveis enquanto usam a África, manipulando alguns governantes e políticos, sem escrúpulos, e que trocam o respeito dos seus irmãos, por nada, apesar de Angola e a África terem tudo para a sua subsistência!
Cooperar não é interferir nas políticas de governação e de gestão de outras Nações, e é precisamente a interferência neocolonial, que nós estamos a viver e isso tem de acabar!

O que se está a passar em Angola do século XX e XXI e depois de uma Independência, onde estão a ser vitimados milhares de cidadãos, em que as mais penalizadas são as crianças e mulheres, designa-se por 3º (terceiro) crime contra a humanidade!
É preciso de uma vez por todas que as consciências se abram e atentem sobre a urgência que se impõe na resolução de problemas básicos na sociedade angolana que já deviam estar há muito solucionadas. As Eleições Autárquicas e a despartidarização das estruturas sociais de todos os angolanos, são necessariamente um contributo fundamental para que Angola e seus Povos encontrem o verdadeiro caminho do desenvolvimento, e isto não passa por recebermos ensinamentos de organizações estrangeiras, muito menos da europa ou do ocidente. Acreditamos na capacidade e competência dos Povos de Angola, para levar acabo estas tarefas a que só a eles dizem respeito. A Juventude angolana, não pode ser constantemente preterida por “pensadores” estrangeiros, é hora de serem ouvidos e dar-lhes espaço de trabalho, se é que queremos salvar a nossa integridade territorial.

Os Governantes e políticos partidários de Angola, estão ao serviço dos Povos e do interesse da Nação angolana, e não do interesse pessoal ou corporativo estrangeiro, que se engrandecem, a custa do que nos pertence!

Todas estas Organizações são mandatadas por oligarquias internacionais ocidentais, e europeias, e, parece, que está mais que na hora, dos angolanos terem juízo, e governarem  o País com Independência externa, sem precisar de ensinamentos de quem apenas nos quer encurralar para criar conflitos e saquearem, como tem sido o hábito ao longo dos séculos.

Nós temos cidadãos formados nas várias áreas do saber,  uns vivendo, no País e outros fora,  importa que eles sejam chamados, a decidir e a opinar pelo País, e chega de parecer que o Angolano gosta de ser colonizado, ou neocolonizado, física e mentalmente!

Temos tudo que estes supostos ideólogos de sistemas destruidores de nações querem, falta apenas, a consciência e o amor próprio, de quem assume ser político ou governante de Angola, que depois se esquece que também somos capazes de fazer e pensar melhor que o neocolonizador, que não conhece o nosso País, os seus Povos a nossa História e que ainda por cima acha que os angolanos e africanos não são civilizados precisando de tutores que têm de nos ensinar como viver na nossa própria terra e como gerir o que nos pertence! A isso dá-se um nome que é neocolonização.

Se estes ensinadores de eleições, fossem tão bons, a europa e o ocidente, não estariam a cair de podres hábitos, na banca rota, e sem Identidade, por a terem destruído para imporem as políticas totalitárias, por isso se sabem assim tanto de estratégias governamentais que o pratiquem na europa e no ocidente, porque nós estamos em África e temos a nossa forma própria de governar e que cabe aos Povos exigirem, pois já chega de 35 anos de imposição de sistemas estranhos a nossas tradições e que são todos da mesma cepa os da origem do totalitarismo, segundo Hannah Arendt.

Estamos portanto preocupadas, e apelamos a todos os representantes Políticos de todos os Partidos e dos Governantes angolanos, que mudem o comportamento de subserviência perante os governos e organizações estrangeiras, que vêm neste acto uma forma de ignorância e incompetência dos políticos angolanos, aproveitando para imporem as suas regras, para defenderem os seus interesses.

Nós Somos um País Independente, com Povos Soberanos, com mais de 5000 Cinco Mil anos e Civilização de milénios, não temos de nos submeter a esta vergonha em que estamos impostos, pelo ocidente e pela europa, eles que apenas têm 200 (duzentos) anos de ciência, quando a África é o Berço da Ciência e da Civilização, que doou o conhecimento e alimentos para todos estes que hoje tal como no passado impõem guerras e regras anti-humanas para dominarem e saquearem!

Urge defender os Povos e o seu Património, sem a interferência externa nos assuntos que só aos angolanos diz respeito, é para isso que os Povos existem, é por isso e só a eles se deve solicitar o melhor apoio na forma e para melhor qualidade de qualquer governo e gestão de Angola, daí a importância das Eleições Autárquicas que darão ao Poder Local e ao próprio Governo Central uma maior capacidade de desenvolvimento a nível nacional, e envolvimento de todos os Povos.

O nosso Projecto enquanto cidadãos angolanos é a nossa Soberania e Nação e isto não é um assunto Global! É um assunto interno e de Povos Soberanos de Angola.

A abertura de Angola aos Povos de mundo, é interessante, mas, a interferência de governos externos, é prejudicial aos objectivos dos Povos e da Nação Angolana.

Aguardamos notícias neste sentido, em defesa de uma cidadania participativa.

 

Com os nossos melhores cumprimentos,

O Secretariado da Mulher Angolana,

 

TÍTULO VI

PODER LOCAL

CAPÍTULO I

PRINCÍPIOS GERAIS

Artigo 213.º
(Órgãos autónomos do Poder Local)

1. A organização democrática do Estado ao nível local estrutura-se com base no
princípio da descentralização político-administrativa, que compreende a
existência de formas organizativas do poder local, nos termos da presente
Constituição.

2. As formas organizativas do poder local compreendem as Autarquias Locais,
as instituições do poder tradicional e outras modalidades específicas de
participação dos cidadãos, nos termos da lei.

Artigo 214.º
(Princípio da autonomia local)

1. A autonomia local compreende o direito e a capacidade efectiva de as
autarquias locais gerirem e regulamentarem, nos termos da Constituição e da
lei, sob sua responsabilidade e no interesse das respectivas populações, os
assuntos públicos locais.

2. O direito referido no número anterior é exercido pelas autarquias locais, nos
termos da lei.

Artigo 215.º
(Âmbito da autonomia local)

1. Os recursos financeiros das autarquias locais devem ser proporcionais às
atribuições previstas pela Constituição ou por lei, bem como aos programas
de desenvolvimento aprovados.

2. A lei estabelece que uma parte dos recursos financeiros das autarquias locais
deve ser proveniente de rendimentos e de impostos locais.
Artigo 216.º
(Garantias das Autarquias Locais)
As autarquias locais têm o direito de recorrer judicialmente, a fim de assegurar o
livre exercício das suas atribuições e o respeito pelos princípios de autonomia local
que estão consagrados na Constituição ou na lei.


CAPÍTULO II

AUTARQUIAS LOCAIS

Artigo 217.º
(Autarquias Locais)

1. As Autarquias Locais são pessoas colectivas territoriais correspondentes ao
conjunto de residentes em certas circunscrições do território nacional e que
asseguram a prossecução de interesses específicos resultantes da vizinhança,
mediante órgãos próprios representativos das respectivas populações.

2. A organização e o funcionamento das Autarquias Locais, bem como a
competência dos seus órgãos, são regulados por lei, de harmonia com o
princípio da descentralização administrativa.

3. A lei define o património das Autarquias Locais e estabelece o regime de
finanças locais tendo em vista a justa repartição dos recursos públicos pelo
Estado e pelas autarquias, a necessária correcção de desigualdades entre
autarquias e a consagração da arrecadação de receitas e dos limites de
realização de despesas.

4. As Autarquias Locais dispõem de poder regulamentar próprio, nos termos da
lei.

Artigo 218.º
(Categorias de Autarquias Locais)

1. As Autarquias Locais organizam-se nos municípios.

2. Tendo em conta as especificidades culturais, históricas e o grau de
desenvolvimento, podem ser constituídas autarquias de nível supramunicipal.

3. A lei pode ainda estabelecer, de acordo com as condições específicas, outros
escalões infra-municipais da organização territorial da Administração local
autónoma.

Artigo 219.º
(Atribuições)
As autarquias locais têm, de entre outras e nos termos da lei, atribuições nos
domínios da educação, saúde, energias, águas, equipamento rural e urbano,
património, cultura e ciência, transportes e comunicações, tempos livres e desportos, habitação, acção social, protecção civil, ambiente e saneamento básico, defesa do consumidor, promoção do desenvolvimento económico e social, ordenamento do
território, polícia municipal, cooperação descentralizada e geminação.

Artigo 220.º
(Órgãos das Autarquias)

1. A organização das autarquias locais compreende uma Assembleia dotada de
poderes deliberativos, um órgão executivo colegial e um Presidente da
Autarquia.

2. A Assembleia é composta por representantes locais, eleitos por sufrágio
universal, igual, livre, directo, secreto e periódico dos cidadãos eleitores na
área da respectiva autarquia, segundo o sistema de representação
proporcional.

3. O órgão executivo colegial é constituído pelo seu Presidente e por Secretários
por si nomeados, todos responsáveis perante a Assembleia da Autarquia.

4. O Presidente do órgão executivo da autarquia é o cabeça da lista mais votada
para a Assembleia.

5. As candidaturas para as eleições dos órgãos das autarquias podem ser
apresentadas por partidos políticos, isoladamente ou em coligação, ou por
grupos de cidadãos eleitores, nos termos da lei.

Artigo 221.º
(Tutela administrativa)

1. As autarquias locais estão sujeitas à tutela administrativa do Executivo.

2. A tutela administrativa sobre as autarquias locais consiste na verificação do
cumprimento da lei por parte dos órgãos autárquicos e é exercida nos termos
da lei.

3. A dissolução de órgãos autárquicos, ainda que resultantes de eleições, só
pode ter por causa acções ou omissões ilegais graves.

4. As autarquias locais podem impugnar contenciosamente as ilegalidades
cometidas pela entidade tutelar no exercício dos poderes de tutela.

Artigo 222.º
(Solidariedade e cooperação)

1. Com o incentivo do Estado, as autarquias locais devem promover a
solidariedade entre si, em função das particularidades de cada uma, visando a
redução das assimetrias locais e regionais e o desenvolvimento nacional.


2. A lei garante as formas de cooperação e de organização que as autarquias
locais podem adoptar para a prossecução de interesses comuns, às quais são
conferidas atribuições e competências próprias.”[…]
CAPÍTULO III

INSTITUIÇÕES DO PODER TRADICIONAL

Artigo 223.º
(Reconhecimento)

1. O Estado reconhece o estatuto, o papel e as funções das instituições do poder
tradicional constituídas de acordo com o direito consuetudinário e que não
contrariam a Constituição.  […]”

2. O reconhecimento das instituições do poder tradicional obriga as entidades
públicas e privadas a respeitarem, nas suas relações com aquelas instituições,
os valores e normas consuetudinários observados no seio das organizações
político-comunitárias tradicionais e que não sejam conflituantes com a
Constituição nem com a dignidade da pessoa humana.

Artigo 224.º
(Autoridades tradicionais)
As autoridades tradicionais são entidades que personificam e exercem o poder no
seio da respectiva organização político-comunitária tradicional, de acordo com os
valores e normas consuetudinários e no respeito pela Constituição e pela lei.

Artigo 225.º
(Atribuições, competência e organização)
As atribuições, competência, organização, regime de controlo, da responsabilidade e
do património das instituições do poder tradicional, as relações institucionais destas
com os órgãos da administração local do Estado e da administração autárquica, bem
como a tipologia das autoridades tradicionais, são regulados por lei.

Artigo 232.º
(Inconstitucionalidade por omissão)

1. Podem requerer ao Tribunal Constitucional a declaração de
inconstitucionalidade por omissão o Presidente da República, um quinto dos
Deputados em efectividade de funções e o Procurador-Geral da República.

2. Verificada a existência de inconstitucionalidade por omissão, o Tribunal
Constitucional dá conhecimento desse facto ao órgão legislativo competente,
para a supressão da lacuna.

Pensar e Falar Angola

Nuvem

Angola na Imprensa (1772) música (399) jornais (324) Ágora (247) livros (226) F.Pereira (221) Historia de Angola (217) pintura (207) opinião (206) cultura (184) Luanda (116) desporto (111) fotografia (104) Território (74) literatura (73) africa (64) vídeo (63) culinária (60) Saúde (55) escritores (55) arte (54) reconstrução (54) Angola (53) Fauna (52) arquitectura (52) humor (51) personalidades (50) reciclagem (50) partidos políticos (49) turismo (49) Namibe (48) CAN2010 (47) futebol (46) energia (44) Luis Sá Silva (43) publicidade (43) Filatelia (42) Gastronomia Angola (42) Poesia (42) Cinema (41) economia (41) automobilismo (40) fotos (40) Gastronomia Angolana (37) LAC (37) sociologia (37) musica (36) valdemaribeiro (34) Luanda Antena Comercial (33) POLITICA (33) eleições (33) ensaios (32) Construção (31) visitando blogues (29) 95.5 (28) Elinga Teatro (28) informação (27) Girabola (26) eleições 2012 (26) automóveis (24) blogs (24) dança (24) teatro (24) Companhia de Dança Contemporânea de Angola (23) Lubango (23) Podcast (23) política (23) basquetebol (22) bonecas (22) futebol angolano (22) cronicas . ensaios (21) imprensa (21) rádio (21) sabores (21) Angola em fotos (20) CDC (20) Natal (20) Ondjaki (20) educação (19) notícias (19) frutas (18) artesanato (17) cronicas (17) eventos (17) GP3 (16) Huambo (16) debate político (16) festas (16) Benguela (15) Cozinha Angolana (15) Lobito (15) Parques Naturais (15) Presidente José Eduardo dos Santos (15) Sala de Música (15) curiosidades (15) receitas (15) Agostinho Neto (14) CASA-CE (14) entrevista (14) fotos antigas (14) Companhaia de Dança (13) EDUCAÇAO (13) Independência (13) Rui Ramos (13) 4 de Fevereiro (12) Angola descrita (12) Angola-Brasil (12) Bloco Democrático (12) F.Quelhas (12) José Mena Abrantes (12) Solidariedade (12) animais de Angola (12) comércio (12) texto de leitor (12) viagens (12) áudio (12) Afrikya (11) Cabinda (11) Huila (11) José Rodrigues (11) agenda cultural (11) ambiente (11) ciência (11) escravatura (11) flora (11) kuduro (11) memória (11) pessoas (11) Comentário (10) Paulo Flores (10) Ruy Duarte de Carvalho (10) afrobasket (10) aniversário (10) escultura (10) estórias (10) futuro (10) malária (10) população (10) postais (10) povos (10) prémios (10) taag (10) unita (10) 27 de Maio (9) Jazz (9) Mateus Gonçalves (9) Palancas Negras (9) Rádios Angolanas (9) cplp (9) exposição (9) geografia (9) paludismo (9) pobreza (9) CAN2008 (8) Café da Manhã (8) Carnaval (8) Huíla (8) Jorge António (8) Pepetela (8) SOCIOLOGIA POLÍTICA (8) Sérgio Conceição (8) baía de Luanda (8) comboio (8) feriados (8) gentes (8) património (8) selecção de Angola (8) transporte (8) viagens no tempo (8) Festas do Mar (7) João Melo (7) Luandino Vieira (7) Malange (7) Marcolino Moco (7) O País (7) Rui Mingas (7) SIDA (7) efemérides (7) ensino (7) falecimento (7) festival de teatro (7) heróis (7) percussão (7) Abel Chivukuvuku (6) Bom Dia - Bom dia (6) CAN2012 (6) Hóquei (6) Luisa Fançony (6) MPLA (6) ajuda (6) andebol (6) campanha eleitoral (6) chuva (6) colecção cartazes (6) filme (6) moda (6) sociedade (6) 4ª Conferência sobre Mulher e Desporto (5) Cartoon (5) Chá de Caxinde (5) Eleições em Notícia (5) FILDA (5) Luena (5) Mário Pinto de Andrade (5) Nelson Mandela (5) antiguidades (5) caminhos de ferro (5) contos (5) convite (5) crianças (5) cultos (5) desenho (5) dia de África (5) diversão (5) documentos (5) estradas (5) liberdade (5) lusofonia (5) o nosso Povo (5) petróleo (5) televisão (5) valdemar ribeiro (5) 25 de Abril (4) A Escola da Música (4) A Guerra (4) ADRA (4) Adams Kiluanji Smiths (4) Ana Clara Guerra Marques (4) André Mingas (4) CFB (4) Capas de singles angolanos (4) Constituição (4) Diplomáticos (4) Duo Ouro Negro (4) Elias Dya Kimwezo (4) Expo 2010 (4) IIº Festival Internacional de Teatro e Artes (4) Jornal de Angola (4) N'gola Ritmos (4) Okutiuka (4) Ouvir Angola (4) Paulo Jorge (4) Pensar e Falar Angola (4) Raul do Rosário (4) Saurimo (4) Sónia Ferreira (4) Trincheira Firme (4) agricultura (4) arquitectura popular (4) colares (4) corrupção (4) desportos (4) ecologia (4) etnografia (4) internet (4) media (4) medicina (4) moeda (4) tradição (4) urbanismo (4) África (4) Ana Paula Tavares (3) António Jacinto (3) Baía dos Tigres (3) Brasil (3) Caminhos de Ferro de Moçâmedes (3) Catumbela (3) Comemorações da Independência de Angola (3) Cuito Cuanavale (3) Denudado (3) Dia Mundial da Dança (3) Dia da Mulher (3) Dia do Herói Nacional (3) Ernesto Lara Filho (3) Filipe Mukenga (3) Homenagem (3) INFRAESTRUTURAS (3) Interclube (3) Investimentos (3) Jogos Olímpicos (3) Jorge Kalukembe (3) José Eduardo Agualusa (3) Justino Pinto de Andrade (3) Kudijimbe (3) Lino Damião (3) Manifesto (3) Manuel Victória Pereira (3) Mosquito (3) Mulheres de Angola (3) Mundial de Hóquei (3) Mário Tendinha (3) Patrício Batsîkama (3) Paulo Araujo (3) Pedroto (3) Prémio Maboque (3) Pérolas (3) Ricardo Teixeira (3) Rock Angolano (3) Teta Lando (3) Yuri da Cunha (3) adivinhas (3) autores (3) candomblé (3) cidadania (3) coleccionismo (3) comunicação (3) conselhos (3) curso (3) david oliveira (3) democracia (3) deputados (3) desastre (3) desenvolvimento (3) design textil (3) dia da Independência (3) e-mail (3) elinga (3) empreendorismo (3) empresa (3) engenharia (3) estatística (3) estudantes (3) exportação (3) formação (3) globalização (3) governo (3) história natural (3) ideias (3) imobiliário (3) indústria (3) jornalismo (3) kuanza-Sul (3) legislação (3) lingua portuguesa (3) linguas (3) livro (3) mel gambôa (3) negritude (3) poesia lusófona (3) polícia (3) rios (3) trabalho (3) 11 de Novembro (2) 1º de Maio (2) 3º ano (2) A Matéria do Tempo (2) Agostinho André Mendes de Carvalho (2) Agualusa (2) Andulo (2) Angola no Afrobasket2013 (2) Arlindo Barbeitos (2) Assembleia Nacional (2) BD (2) Beatriz Salucombo (2) Belita Palma (2) Bonga (2) Bonga Kwenda (2) CHAN (2) CUBE RECORDS (2) Café Negro (2) Cambambe (2) Campeonato do Mundo de Hóquei (2) Cangandala (2) Caála (2) Comissão Nacional Eleitoral (2) Correia Adão (2) Cuca (2) DTA (2) Divagações (2) Dog (2) Dog Murras (2) Don Sebas (2) Elinga Bar (2) Encontro (2) Estudos Angolanos (2) Estúdio de Actores (2) FAO (2) FBaião (2) FIC (2) FLEC (2) Festival Internacional de Jazz (2) Festival Internacional de Rock do Huambo (2) Festival de Cinema (2) Filipe Zau (2) Formula 3 (2) Fortaleza de Luanda (2) Fotografias (2) Fotografias de Angola (2) Francisco Vidal (2) Gustavo Costa (2) Helena Justino (2) Helena Magalhães (2) Hospital Pediátrico David Bernardino (2) Isabel dos Santos (2) Januário Jano (2) João Arrmando (2) João Baptista Vieira Lopes (2) Kilamba (2) Kwanza Norte (2) Leba (2) Lev'Arte (2) Luís Damião (2) Lúcio Lara (2) Mampuya (2) Mangovo (2) Manifestações (2) Manuel Ruy Monteiro (2) Margarida Paredes (2) Mbanza Congo (2) Mia Couto (2) Micaela Reis (2) MinhaAngola (2) Monza (2) Mucuio (2) Museu de História Natural (2) Nara (2) Nelo Teixeira (2) Neves e Sousa (2) O Blog Realmente Aberto (2) Online (2) Palácio de Ferro (2) Papa Bento XVI (2) Paulo Jazz (2) Paulo de Carvalho (2) Pedras Negras (2) Prémio Nacional da Cultura (2) Recordações (2) René Pélissier (2) Roderick Nehone (2) Rosa Coutinho (2) Rádio Ecclesia (2) SIEXPO (2) Sabby (2) Salvador Correia (2) Samakuva (2) Sambizanga (2) Savimbi (2) Sonangol (2) Sumbe (2) TPA Internacional (2) Terra (2) Tio Liceu (2) Togo (2) Tonspi (2) Universidade (2) Uíge (2) Valdemar Bastos (2) Viriato da Cruz (2) Visita de Estado (2) Viteix (2) Yaru Cândido (2) alimentação (2) angolanidade (2) antropologia (2) aviação (2) bebidas (2) biodiversidade (2) ciclismo (2) conhecimento (2) contestação (2) direitos e deveres (2) divulgação (2) educ'arte (2) escola (2) espectaculo (2) feira (2) fim de ano (2) fome (2) governação (2) herois (2) hino (2) hoquei em Patins (2) instrumentos (2) kimalanga (2) kizomba (2) legislativas (2) leis (2) marginal (2) negócios (2) pensamentos (2) pesca (2) provérbio (2) religião (2) reportagem (2) resultados eleitorais (2) revistas (2) toponimia (2) transporte aéreo (2) trânsito (2) vias de comunicação (2) vistos (2) Álvaro Macieira (2) óbitos (2)  Zé Pestana Namibe Angola em fotos (1) "O Ocaso dos Pirilampos". (1) 04 de Abril (1) 1 de Maio (1) 15 de Março (1) 1º de Agosto (1) 2006 (1) 2008 (1) 2011 (1) 2012 (1) 2014 (1) 95 (1) A Poesia Angolana noa Caminho Doloroso da História (1) A Orfã do Rei (1) A Safra (1) ANGOLATELECOM (1) Acordos Luso-Angolanos (1) Acordos de Paz de Bicesse (1) Actores (1) Acácio Barradas (1) Adolfo Maria (1) Adriano B. de Vasconcelos (1) Adriano Botelho de Vasconcelos (1) Adriano Mixinge (1) Adriano Sebastião (1) Aeroporto Internacional de Luanda (1) Afrologia (1) Alda Lara (1) Alda do Espírito Santo (1) Alfabetização (1) Aline Frazão (1) Allende (1) Ana Dias Lourenço (1) Ana Paula dos Santos (1) Angola 74 (1) Angola Avante (1) Angola Rural (1) Angola e NBA (1) Angolares (1) Animação (1) António Kassoma (1) António Magina (1) António Ole (1) António dos Santos (1) Anália de Victória Pereira (1) Apartheid (1) Apostolado (1) Artur Nunes (1) Assassinato (1) Associação 25 de Abril (1) Associação Kalu (1) Autódromo (1) Bahia (1) Baixa de Cassange (1) Banda (1) Banda Desenhada (1) Banda Maravilha (1) Before Crush (1) Benfica (1) Bienal (1) Bilhete de Identidade (1) Bimbe (1) Bié (1) Black Soul (1) Boas Fertas (1) Bruno M (1) COI (1) COSISA (1) CPJ (1) CRONICAS ENSAIOS (1) Cabo Ledo (1) Caleidoscópio (1) Calos Alberto Mac-Mahon de Vitoria Pereira (1) Cangola (1) Caotinha (1) Carlos Alberto Mac-Mahon de Vitoria Pereira (1) Carlos Ferreira (1) Carlos Ferreirinha (1) Carlos Morais (1) Carteira do Artista (1) Casa 70 (1) Casa do Gaiato (1) Casa do Gaiato de Benguela (1) Cavaqueira no Poste (1) Cesaire (1) Cesária Évora (1) Chia KMK (1) Chibia (1) Chiwale (1) Cinema Atlântico (1) Comité Olímpico (1) Companhia de Teatro Dadaísmo (1) Companhia de Teatro Gente (1) Congresso (1) Cooperação Luso Angolana (1) Corte-Real Pereira (1) Costa Andrade (1) Cuba (1) Cubal (1) Cunene (1) Cónego Manuel das Neves (1) DNIC (1) Dalila Cabrita (1) David Zé (1) Death Metal Angola (1) Demósthenes (1) Dharmasena Pathiraja (1) Dharmasena Pathirajad (1) Dia da Mulher Africana (1) Dia de Camões (1) Dia internacional da Criança (1) Direitos Humanos (1) Direitos de autor (1) Discurso do Presidente Agostinho Neto (1) Dondo (1) Drepanocitose (1) Duarte Ferreira (1) EXPO 2012 (1) Edgardo Xavier (1) Edite Soeiro (1) Eiffel (1) Embaixada de Angola em Portugal (1) Embaixador (1) Eng. Fernando Falcão (1) Espaço SIEXPO (1) Estórias de Angola (1) Etel Ferrão (1) Eugénio Costa Almeida (1) ExameAngola (1) Expo 2008 (1) FAA (1) FC Bravos do Maquis (1) FIL (1) FNLA (1) Fernando Baião (1) Fernando Laidley (1) Fernando Pacheco (1) Fernando Tavares Pimenta (1) Festival da Canção (1) Filhos da Pátria (1) Flávio Ferrão (1) Ford (1) Forum Angolanao (1) Força aérea (1) Fragata de Morais (1) Francisco Costa Andrade (1) Frases (1) Frei João Domingos (1) Frutos de Angola (1) Fundação Sindika Dokolo (1) Fundo de Solidariedade Lwini (1) Fátima Roque (1) Gabela (1) Gana (1) Gari Sinedima (1) General Pakas (1) Graciano António Manuel Kalukango (1) Granito (1) Grupo Lareira (1) Grupo Pitabel (1) Grupo de Reflexão da Sociedade Civil de Angola (1) Guiné-Bissau (1) Gustave (1) Gustavo da Conceição (1) Gás (1) Helder Mendes (1) Henrique Artes (1) Herberto Helder (1) Hinos partidários (1) Holden Roberto (1) INESAAODH (1) INOVAR (1) Icolo e Bengo (1) Imbondeiro (1) Inocência Mata (1) Inscrições (1) Iraldo (1) Irina Vasconcelos (1) Isaura Maria da Conceição Epanda (1) Ismael Mateus (1) J.M.Coetzee (1) Jacinto Lemos (1) Jandira Sassingui (1) Jeremy Xido (1) Jerónimo Belo (1) Joaquim Furtado (1) Jodi Burch (1) Jomo Fortunato (1) Jonh Bela (1) Jordi Galcerán (1) Jorge De Palma (1) José Chaves (1) José Luis Mendonça (1) José Marcos Mavungo (1) José Maria Chaves (1) José Redinha (1) João Kassinda (1) João Soares (1) Kalandula (1) Kalumba (1) Kambumbe Lodje (1) Kandjila (1) Kaparandanda (1) Kate Hama (1) Kifangondo (1) Kiluanji Kia Henda (1) Kinaxixe (1) Kito Kimbenze (1) KuBass (1) Kuanza (1) Kuduro International Conference (1) Kwanza (1) LODGE (1) Lambarena (1) Levy César Marcelino (1) Lilly Tchiumba (1) Lito Vidigal (1) Loanda (1) Luanary (1) Luanda Maputo (1) Luciano António (1) Lucira (1) Lugares (1) Luis Fernando (1) Luis Rosa Lopes (1) Lulendo (1) Lunda (1) Luz Veio (1) Luís Fernando (1) M'pty Head (1) MOVICEL (1) Maianga (1) Mano a Mano Produções (1) Manucho (1) Manuel Agostinho Salvador Ribeiro (1) Manuel Ennes Ferreira (1) Manuel Rui (1) Mara Dalva (1) Mara Manuela Cristina Ananaz (1) Maria Esperança Pascoal (1) Maria Mambo Café (1) Maria Rita (1) Massalo (1) Matála (1) Mayamba Editora (1) Memória de uma alcoólica (1) Menha Ma Zumbi (1) Menongue (1) Mestre Humberto (1) Miguel Anacoreta Correia (1) Miguel Barros (1) Miguel Zenón Quartet (1) Ministros de Angola (1) Miss Angola 2007 (1) Miss Mundo (1) Miss World (1) Monami (1) Morro Maluco (1) Morro da Luz (1) Morro da Maianga (1) Movimento Estudantil Angolano (1) Movimento X (1) Moçambique (1) Muanamosi Matumona (1) Mucubais (1) Mulher Desporto África 2008 (1) Murras (1) Museu Nacional de História Natural (1) Musongué da Tradição (1) Mutamba (1) Mário Guerra (1) MárioPalma (1) NASCAR (1) NEBLINA (1) Nastio (1) Ngolamirrors (1) Nito Alves (1) Njinga Rainha de Angola (1) Nossangola (1) Nzila (1) Nástio (1) Nástio Mosquito (1) O Moringue (1) O Método de Groholm (1) O Preço do Fato (1) O Rock Lalimwe Eteke Ifa (1) O Submarino Angolano (1) ONG (1) ONU (1) Orfanato (1) Orlando Sérgio (1) Ortopedia (1) Os Lambas (1) Ottoniela Bezerra (1) PENSAMENTO (1) PTNETangola (1) Pangueia Editora (1) Parlamento (1) Pauko Flores . música (1) Paulo Capela (1) Paulo Kussy (1) Pedrito do Bié (1) Pedro Pinote (1) Petro (1) Photosynth (1) Processo dos 50 (1) Projecto Perpetuar (1) Prémio José Saramago (1) Quarta-feira (1) Quimbele (1) Quitexe (1) RNA (1) Rafael Marques (1) Raid Cacimbo (1) Raid TT (1) Rainha Ginga (1) Rainha Nzinga (1) Raul David (1) Reacreativo do Libolo (1) Recreativo da Caála (1) Reginaldo Silva (1) Ricardo Abreu (1) Rio Kuanza (1) Ritmo e Cultura (1) Robert Hudson (1) Roberto Ivens (1) Rocha Pinto (1) Romi Anauel (1) Ruca Van-Dúnem (1) Rui Almeida (1) Rui Costa (1) Rui Monteiro (1) Rui Tavares (1) Ryszard Kapuscinski (1) Rádio Luanda (1) S.Tomé e Príncipe (1) SISTEC (1) Samba (1) Santocas (1) Sexta-feira (1) Silerstone (1) Silverstone (1) Simão Toco (1) Sita Valles (1) Slide de fotografias (1) Soyo (1) Suzana Inglês (1) Sérgio Guerra (1) Sérgio Mabombo (1) TEDxLuanda (1) Taekwondo (1) Tantã Cultural (1) Tchivinguiro (1) Tchokwé (1) Terra dos Sonhos (1) Toke (1) Tomaz Jorge (1) Toty Semedo (1) Traumatologia (1) Tribunal de Contas (1) Trienal de Luanda (1) Tv (1) TvZimbo (1) Té Macedo (1) Tômbwa (1) UEA (1) UNITEL (1) União de Escritores Angolanos (1) Urbano de Castro (1) VIH/SIDA (1) VUM-VUM KAMUSASADI (1) Victor Gama (1) Vítor Burity da Silva (1) Waldemar Bastos (1) Welwitschia Mirabilis (1) Wilker Flores (1) Xadrez (1) Xá de Caxinde (1) Yonamine Miguel (1) You Failed... Now We Rule!!! A Nossa Vez!!! (1) Zeca Moreno (1) Zé Pestana Namibe Angola em fotos (1) abacate (1) acidentes (1) acordo ortográfico (1) advogados (1) agradecimento (1) alambamento (1) alfandega (1) angolano lá fora (1) antologia poetica (1) anuncio (1) anúncio (1) arbitrariedade (1) artes plásticas (1) baleia (1) bancos (1) bandeira (1) barack obama (1) baía (1) biblioteca (1) bicicleta (1) borboletas (1) cacusso (1) capacitação (1) casamento (1) cidades (1) cine art angola (1) clima (1) cogumelos (1) colóquios (1) combustível (1) comunidades (1) concertos musicais (1) concurso fotografia (1) contador (1) contrafacção (1) convívio (1) cooperação desportiva (1) crónicas (1) cursos (1) desalojados (1) desarmamento (1) descolonização (1) desgraça (1) design grafico (1) desporto paralímpico (1) dia do pai (1) dimantes (1) dinheiro (1) doclisboa 2012 (1) doença do sono (1) dvd (1) e--books (1) emprego (1) encontro mulheres angolana (1) escr (1) estorieta (1) explicação (1) expressão dramática (1) f (1) facebook (1) famílias (1) feira do Livro (1) ficção (1) fiscalidade (1) floresta (1) fm (1) fábulas (1) férias (1) gora (1) graffiti (1) hobby (1) humor angolano (1) idolos (1) igreja (1) iniciativa (1) intercâmbio (1) investigação (1) jindungo (1) jo (1) justiça (1) juventude (1) kalulu (1) kamussekele (1) kassekele (1) kimbos (1) kit surf em Angola (1) lendas (1) luto (1) línguas nacionais (1) militares (1) minas (1) minas de prata (1) miss Universo (1) modernização (1) mosca tsé-tsé (1) motas (1) muamba (1) música. fotos antigas (1) narrativa (1) natação (1) néo-liberalismo (1) o mundo (1) off-road (1) parabens (1) passados. estórias (1) passatempo (1) pecuária (1) pensar (1) perdidos e achados (1) piri-piri (1) poe (1) porto de Luanda (1) primeira-dama de Angola (1) prisões (1) prédio Cuca (1) qualificação das pessoas (1) ra (1) racismo (1) recuperação (1) refugiados (1) registo eleitoral (1) renovação (1) repatriamento (1) restaurantes (1) san (1) segurança (1) sem etiqueta (1) seminário (1) soberania (1) surf em Angola (1) taxis (1) telecomunicações (1) todo o terreno (1) tragedia (1) tripanossomíase (1) turtulhos (1) twitter (1) técnica (1) um livro. solidariedade (1) valdemar F. Ribeiro (1) vfr (1) vigarices (1) violência (1) voz (1) youTube (1) «ANGOLA: A TERCEIRA ALTERNATIVA» (1) Álvaro Ascenso (1) Álvaro Mateus (1) Óscar Ribas (1) ética (1) ídolos (1)